CompararComparando...

Papelão Ondulado – Juarez Pereira – Condicionamento de amostras para ensaio

Lendo Agora
Papelão Ondulado – Juarez Pereira – Condicionamento de amostras para ensaio

25/11/2016 – Alguns fabricantes de embalagens de papelão ondulado, mais precisamente cartonagens, nos questionam sobre as condições normalizadas para o condicionamento (50% de umidade relativa e 23°C de temperatura). Segundo dizem, no dia a dia os ensaios são executados nas condições ambientais. Os usuários, ao receberem seus pedidos, executam os ensaios, também, em condições ambientais.

O método normalizado para os ensaios indica, também, outro nível de condicionamento de 65% de umidade relativa. Sobre o aspecto de os ensaios serem, com grande frequência, executados em condições ambientais, a possibilidade de usar 65% de Umidade Relativa (UR) normalizada poderia parecer atraente, mas seria um problema para muitos laboratórios que adotam acondicionamento a 50% UR.

Devemos considerar, ainda, que a condição 50%UR tem melhor reprodutibilidade, o que a torna ideal para comparações válidas em diferentes laboratórios de ensaios.

Assim, especificar 65% UR não traria benefícios plenamente justificáveis – mesmo porque, para o importante aspecto do desempenho da embalagem de papelão ondulado, os projetistas já fazem considerações quanto à UR sob a qual a embalagem será armazenada e transportada.

Indicar a UR em especificações, principalmente para embalagens a serem armazenadas e transportadas em condições de alta umidade é importante para especificar corretamente qual papelão ondulado usar para a fabricação da embalagem. Nesses casos os projetistas já consideram 90% de umidade ou até mesmo 95%.

Se os ensaios forem executados em condições ambientais sem UR conhecida, poderíamos considerar o conteúdo de umidade do papelão ondulado como orientação para prevermos a resistência à compressão da embalagem (e também a resistência de coluna do papelão ondulado).

O conteúdo de umidade do papelão ondulado pode ser facilmente determinado se dispusermos de uma estufa para secar a amostra e uma balança com sensibilidade adequada – equipamentos comuns de um laboratório de ensaios e controle de qualidade.

Conhecendo o conteúdo de umidade do papelão ondulado, teoricamente é possível calcular a resistência à compressão da caixa (ou a resistência de coluna do papelão ondulado) que a embalagem teria nas condições normalizadas (50% UR).

Nos treinamentos aqui, na ABPO, mostramos como efetuar tais procedimentos, o que pode ser de grande valia para alguns fornecedores de embalagens de papelão ondulado que não contam com um laboratório próprio para condicionamento. O pessoal responsável pelo controle de qualidade, principalmente, teria melhores condições para tomar decisões quanto a aceitar ou rejeitar um lote fabricado.

Certamente, porém, a decisão correta é sempre efetuar os ensaios nas condições previstas na normalização.

O Artigo foi Publicado inicialmente na Revista O Papel / em Outubro de 2016

Qual é a sua impressão?
Amei
67%
Curti
33%
Não Gostei
0%
Sobre o Autor
Juarez Pereira - Papelão Ondulado
Juarez Pereira - Papelão Ondulado
é assessor técnico da Associação Brasileira de Papelão Ondulado (ABPO)
Comentários
Deixe um Comentário

Deixe um Comentário