CompararComparando...

Papel – Vitor Paulo de Andrade – A melhor metade do copo

Lendo Agora
Papel – Vitor Paulo de Andrade – A melhor metade do copo

09/12/2015 – É fato que o ambiente de negócios vive clima de insegurança e também que os indicadores econômicos têm sido cada vez mais desanimadores. Certo. Isso não é novidade para ninguém, muito menos para o brasileiro, que pode até andar esquecido, mas tem gravado em sua história exemplos de superação – diga-se, no coletivo e no individual.

Uma recente explanação recheada de números negativos deixou um oportuno lembrete final, que soa como um alento: a economia é cíclica! Acrescento: assim, como a vida! E a ideia de ciclo é a da sucessão de fatos que são naturalmente superados, tendo um ponto de partida e um de chegada, que vai conduzir imediatamente a um outro ciclo. Quando o ciclo é virtuoso queremos prolongá-lo, explorar ao máximo as possibilidades da sequência de bons momentos. O que, de certa maneira, até pode ser possível. Mas, suportar cada nova etapa dos ciclos de baixa são verdadeiras torturas!

Como se diz, o que pode alterar uma perspectiva é o tempo. E até há técnicas para utilizá-lo de forma mais assertiva. Mas, vejo que além do tempo, temos fatores intangíveis que nos motivam ou desmotivam e aí entram em ação os poderosos perfis otimistas e pessimistas. O copo servido até a metade está meio cheio ou meio vazio? Como se enxerga o copo não tem nada a ver com a visão, mas depende de outros sentidos e percepções.

Suponha que no copo tenha a água que vai determinar sua sobrevivência por um tempo,     de duração incerta. Pensando estratégica e positivamente, o líquido vital pode ser protegido, preservado, consumido com cuidado redobrado e, acima de tudo, buscando alternativas para que o copo possa ser reabastecido antes de esvaziar totalmente.

Por outro lado, focar no copo meio vazio permite que o pessimismo domine e o medo tome conta, causando a paralisia que impede qualquer ação protetiva ou inovadora para acesso a outra fonte de água.

Nas duas condições o fato não muda. O copo está pela metade, é preciso consumir e não se sabe como e nem quando terá mais água disponível. Exatamente como ocorre no cenário econômico brasileiro, agravado pelo descontrole político. Cabe aos empresários agir diante das variáveis que estão postas. Parece desnecessário sobre discorrer qual seria a melhor escolha.

No caso, olhar para fora, para o entorno, partilhar, trocar impressões, experiências e conhecimento, buscar novas opções e possibilidades podem ser ferramentas muito úteis. Neste quesito, os vários segmentos do setor de papel estão dando sua contribuição. É o que nos mostra a quantidade de eventos realizados nos últimos dois meses. A mobilização pela representatividade ajuda a construir pontes e a abrir portas para novos caminhos.

É hora de enfrentar o desafio de ser ainda mais empreendedor. Fazendo o máximo, da melhor forma possível! Afinal, de nada adianta ter um copo totalmente cheio se prevalecer a decisão cômoda e displicente de responsabilizar terceiros pelos insucessos. Sim, o cenário é difícil e incerto. Por tanto, a água que nos resta é a melhor porção, a reserva estratégica capaz de acionar a necessária alquimia para superação.

* Vitor Paulo de Andrade – Presidente do Conselho Diretor da Andipa

Fonte: Informativo NewsPaper – Número 47/Novembro de 2015, da ANDIPA

Qual é a sua impressão?
Amei
0%
Curti
0%
Não Gostei
0%
Sobre o Autor
Vitor Paulo de Andrade - Papel
Vitor Paulo de Andrade - Papel
Vitor Paulo de Andrade é Presidente do Conselho Diretor da Andipa (Associação Nacional dos Distribuidores de Papeis).
Comentários
Deixe um Comentário

Deixe um Comentário