Fazendeiro planta eucalipto para compensar gás metano liberado pelo gado em MG

Lendo Agora
Fazendeiro planta eucalipto para compensar gás metano liberado pelo gado em MG

eucalipto25/11/2015 – Agora você vai conhecer a Fazenda do Léo, uma propriedade na Zona da Mata Mineira. E sabe o que diferencia essa fazenda das outras? É que, por lá, eles resolveram plantar eucaliptos para compensar o gás metano liberado pelo gado, sem perder dinheiro e respeitando o meio ambiente.

O metano em grande quantidade na atmosfera contribui para o efeito estufa, um dos responsáveis pelo aquecimento global. As moléculas desse gás são 21 vezes mais potentes como causadoras do efeito estufa do que as de outro gás, como o dióxido de carbono, por exemplo.

E se não dá para limpar a atmosfera de todo o metano, dá para compensar, tirando todo o dióxido de carbono do meio ambiente. É aí que entram as plantas e as árvores. Elas retiram o carbono da atmosfera para formarem raízes, caules, folhas e frutos. Na Fazenda do Léo quem faz essa compensação são as árvores de eucalipto.

“A gente consegue neutralizar através desse processo de fotossíntese todo esse metano que esses animais emitem. Então, nós temos uma carne carbono zero, uma carne neutra”, explica o administrador da fazenda, Leonardo Resende.

Fonte: Como será? / Adaptado por CeluloseOnline

Sobre o Autor
Celulose Online
Celulose Online
1Comentários
Deixe um Comentário
  • Prof. Ivo Ribeiro da Silva_Depto de Solos_Universidade Federal de Viçosa
    novembro 26, 2015 at 17:24

    Conheço esse trabalho do Leonardo e confesso que é muito bacana. Gostaria de complementar que nossas pesquisas em parceria com empresas do setor florestal brasileiro têm mostrado com todo o respaldo científico que os solos sob eucalipto de várias regiões do Brasil têm se mostrado como um importante dreno para o metano da atmosfera devido à maior atividade de bactérias metanotróficas (consomem metano) do que aquelas metanogênicas (produzem metano). Isso tudo além do grande potencial de resgate de C-CO2 amosférico.

    Sds,

    Prof. Ivo Ribeiro

Deixe um Comentário