CompararComparando...

Entrevista Exclusiva: mercado gráfico precisa se adaptar à crise, mas desemprego é inevitável

Lendo Agora
Entrevista Exclusiva: mercado gráfico precisa se adaptar à crise, mas desemprego é inevitável

22/04/2015 – Fábio Sarje é presidente da Abigraf (Associação Brasileira das Indústrias Gráficas) da seccional de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Com foco no mercado, na crise e nas possíveis expectativas para o setor como um todo, o executivo conversou com o CeluloseOnline, veja abaixo:

CeluloseOnline – Em termos de crises, como está o mercado gráfico?Fabio Sarge Abigra RP

Fábio Sarje – O mercado vai se acomodar a crise. O mercado gráfico não tem outra opção que não seja se adaptar a economia. Então, alguns segmentos vão sofrer mais e outros vão sofrer menos, mas sofrer todos eles vão.

Dentro dos segmentos da indústria gráfica nós temos um que se ressalta que é o de comunicação visual: esse é pujante, cresce a cada dia, no tem percentuais negativos nos finais de ano, já os outros segmentos, infelizmente, estão chegando próximo a zero ou com positivismo de 1% ou -1%, mas ainda assim acima da queda que sofreu a indústria de transformação no Brasil, que fechou em patamares de -4,3%. Então, existe um otimismo relativo quando o assunto é mercado.

CeluloseOnline – O que seria se adaptar a economia?

Fábio Sarje – Por exemplo, as tiragens estão caindo: o cliente que imprimia 50 mil, agora está imprimindo 10 mil e o que imprimia 10 mil, agora está imprimindo mil. Então aquela gráfica que tinha o patamar de faturamento atrelado a esse cliente que imprimia 50 mil, ela vai ter que se adaptar e passar a atender esse cliente que agora vai imprimir menos.

Ou então, aquele segmento que é especializado em embalagens e que imprimia 50 mil caixinhas de perfume.. Hoje não vende mais 50 mil perfumes. Ele, então, passa a imprimir aquilo que é referente a realidade da crise econômica que a gente enfrenta.

CeluloseOnline – E isso significa que haverá desemprego no setor?

Fábio Sarje – Significa, infelizmente. A gente ainda não tem percentuais por estar no início do ano e entramos em época de negociação coletiva, mas fatalmente vai haver demissões no setor. Isso é inegável.

BELGIUM - Job search Small Ads

CeluloseOnline – Quais as ações da Abigraf para tentar amenizar essa crise?

Fábio Sarje – A Abigraf tem várias ações políticas. Uma delas, por exemplo, é fazer com que o livro nacional seja produzido no Brasil. Um grande colaborador bibliográfico, que fechou com o patamar de R$ 45 bi no ano passado, é o segmento editorial. Esse segmento específico está enfrentando uma crise que já vem de alguns anos, justamente por concorrer deslealmente com o mercado chinês, livro esse que entra no Brasil isento de tributação e tem o governo como maior comprador. Ao passo que o empresário brasileiro, quando tem que produzir o mesmo livro fornecido pelo governo dentro do Brasil, recebe a tributação.

Essa é uma briga política que está para ser encerrada neste ano, terá saldo positivo para a indústria nacional e a mudança nesse processo, se for favorável, pode provocar uma contratação maior – ao invés de ter desemprego vai ter emprego. Se o segmento de promocional e de embalagens vai desemprega mais, a contrapartida pode ser o segmento editorial.

CeluloseOnline – Esse saldo tem previsão econômica, também?

Fábio Sarje – Ainda não têm percentuais, até porque ainda precisa ser aprovado no congresso – lembrando que já foi aprovado pelo Senado.

CeluloseOnline – E o papel imune?

Fábio Sarje – O papel imune já não é uma briga e não tem tanta concorrência desleal. Graças às novas leis que foram implementadas pra ele, o mercado ficou menos vulnerável, com menos problemas.

CeluloseOnline – Então, como podemos definir a expectativa do mercado gráfico para esse ano…

Fábio Sarje – É positiva para:

  • Aqueles que conseguem se adaptar ao mercado – se estiverem, principalmente, adequando-se às novas tiragens do setor,
  • Quem estiver pensando em migrar para a comunicação visual e introduzir dentro do seu parque gráfico, e
  • Se tivermos as boas notícias do segmento editorial.

Ou então, vamos esperar a crise passar.

A entrevista foi cedida ao CeluloseOnline durante almoço de encerramento da 10ª edição do SAG (Semana das Artes Gráficas), em Ribeirão Preto (SP).

Fibria noticias rodape
Qual é a sua impressão?
Amei
0%
Curti
95%
Não Gostei
0%
Sobre o Autor
Celulose Online
Celulose Online
1Comentários
Deixe um Comentário
  • Lourinaldo Santana
    fevereiro 13, 2016 at 11:15

    Muito boa a reportagem, total a realidade atual, mais eu ainda acredito no crescimento do setor, é como pode jorrar uma fonte no deserto, ainda vem uma novidade de socorro para setor

Deixe um Comentário